Interpretar Gestos

A mão dupla

APTOPIX Cuba Pope

Gesto favorito nas empresas de todo o mundo, realiza-se com contacto visual direto, um sorriso candidamente tranquilizador e uma repetição confiante, em voz alta, do nome próprio do receptor, frequentemente acompanhados por uma inquirição sincera acerca do seu estado de saúde.

Este aperto de mão aumenta a quantidade de contacto físico proporcionada pelo iniciador e dá-lhe controlo sobre o receptor, ao restringir-lhe o movimento da mão direita. É designado por vezes por «aperto de mão de político». O seu iniciador tenta dar a impressão de ser honesto e digno de confiança, mas a sua utilização numa pessoa que acabou de se conhecer pode ter o efeito inverso, deixando o receptor com suspeitas acerca das intenções do iniciador. A Mão-Dupla é semelhante a um abraço em miniatura, e é aceitável unicamente nas circunstâncias em que um abraço também o fosse.

Noventa por cento dos seres humanos nasce com a capacidade de lançar o braço direito à frente do corpo — movimento conhecido por golpe de braço superior (over-arm blow) — com intuitos de autodefesa básica.
A Mão-Dupla restringe esta capacidade defensiva, razão por que nunca deve ser usada em encontros com pessoas com as quais não exista um vínculo pessoal. Deve ser empregada unicamente quando exista já um vínculo emocional, como por exemplo quando se encontra um velho amigo. Nestas circunstâncias, a autodefesa não está em questão, pelo que um aperto de mão é percepcionado como genuíno.