Interpretar Gestos

Home»Comportamentos»Aplicações práticas das distâncias de zona

Aplicações práticas das distâncias de zona

2011_10_17_19_04_510

A nossa Zona íntima (entre 15 e 46 centímetros) é normalmente invadida por outra pessoa por uma de duas razões: no primeiro caso, o intruso é um parente próximo ou amigo, ou ainda alguém que realiza uma aproximação de natureza sexual; no segundo caso, o intruso é hostil e poderá estar a preparar-se para atacar.

Se podemos tolerar desconhecidos movimentando-se no interior das nossas Zona Social e Zona Pessoal, a intrusão de um desconhecido da nossa Zona íntima desencadeia alterações fisiológicas no interior dos nossos corpos. O coração começa a bater mais depressa, a adrenalina é lançada no fluxo sanguíneo e o sangue é bombeado para o cérebro e os músculos, como preparação física para uma situação de luta ou fuga.

Isso significa que se puser o braço, de um modo amigável, em volta de alguém que acabou de conhecer, poderá fazer essa pessoa desenvolver sentimentos negativos relativamente a si, ainda que possa sorrir e parecer apreciar o seu gesto, para não o ofender.

Se quiser que as pessoas se sintam confortáveis junto de si, a regra de ouro é «mantenha as distâncias». Quanto mais íntimo seja o nosso relacionamento com outras pessoas, mais elas nos permitirão que nos desloquemos no interior das suas zonas. Por exemplo, o novo colega de trabalho poderá sentir de início que os outros são frios para consigo, mas estes estão simplesmente a mantê-lo na Zona Social, até o conhecerem melhor.

À medida que isso for acontecendo, a distância diminuirá, até que a partir de certo momento lhe será permitido movimentar-se no seio das Zona Pessoais dos colegas, e em alguns casos nas suas Zonas íntimas.