Um psicólogo da Universidade de Cambridge, realizou testes nos quais se mostrava aos participantes fotografias em que só era visível uma estreita faixa do rosto, incluindo ambos os olhos. Pedia-se às pessoas que escolhessem entre estados mentais expressos nas fotografias, tais como «amigável», «relaxado» «hostil» e «preocupado», e também atitudes como «desejo por ti» ou «desejo por outra pessoa».

Estatisticamente, dir-se-ia que metade das respostas resultariam corretas, mas o resultado médio dos homens foi de 19 em 25, ao passo que as mulheres responderam acertadamente 22 em cada 25 fotos. Este teste mostra que ambos os sexos têm maior capacidade para descodificar sinais dos olhos do que sinais corporais, e que as mulheres o fazem melhor do que os homens. Os cientistas não sabem ainda de que forma esta informação dos olhos é enviada ou descodificada — sabem simplesmente que temos a possibilidade de o fazer. Os indivíduos autistas — que são quase sempre homens — são os que apresentam os piores resultados. Falta aos cérebros autistas a capacidade de ler a linguagem corporal humana, e esta é uma das razões pelas quais os autistas sentem dificuldade em estabelecer relacionamentos pessoais, ainda que muitos possuam QI muito elevados.