Interpretar Gestos

Home»Jogos de poder»As nove regras de ouro para causar grandes primeiras impressões

As nove regras de ouro para causar grandes primeiras impressões

Entrevista-de-Emprego-Como-Se-Preparar-Para-A-Segunda-Fase-3

Imaginemos que o leitor vai a uma entrevista e quer causar a melhor primeira impressão possível. Não se esqueça de que os outros formam até 90% da sua opinião acerca de si nos primeiros 4 minutos, e que 60 a 80%) do impacto que causará será não verbal.

Eis nove Regras de Ouro para acertar à primeira, numa entrevista:

1. Na zona da receção
Dispa sobretudos ou impermeáveis e, se possível, dê-os a guardar à rececionista. Evite entrar num gabinete com os braços cheios de tralha que o podem atrapalhar e fazer parecer inepto. Espere sempre de pé numa receção — nunca se sente. As rececionistas insistem sempre para nos sentarmos porque, ao fazê-lo ficamos fora do campo de visão delas, e deixam de ter de se preocupar connosco. Permaneça de pé com o gesto Mão-na-Mão por trás das costas (confiança) e baloice-se lentamente para trás e para a frente sobre os pés (confiante, controlado) ou utilize o gesto do Telhado. Esta linguagem corporal relembra permanentemente que continua presente e à espera. Mas nunca faça isto na repartição de finanças.

2. A entrada
A sua entrada diz às outras pessoas de que forma espera ser tratado. Após a rececionista lhe dar a luz verde para entrar, faça-o sem hesitação. Não permaneça à entrada da porta como uma criança da escola malcomportada à espera de ser recebida pelo diretor. Quando atravessar a porta do gabinete da pessoa, faça-o a uma velocidade uniforme. As pessoas com falta de confiança mudam de velocidade e arrastam um pouco os pés quando entram.

3. A abordagem
Ainda que a pessoa se encontre ao telefone, a vasculhar uma gaveta ou a atar os atacadores, caminhe de forma direta e confiante na sua direção, com um movimento suave. Pouse a sua mala, pasta ou o que quer que tenha nas mãos, aperte a mão da pessoa e sente-se de imediato. Faça-lhe ver que está habituado a entrar de forma confiante em gabinetes, e que não admite ser deixado à espera. As pessoas que caminham de forma lenta ou dão passos longos transmitem a ideia de dispor de imenso tempo, de não terem grande interesse naquilo que estão a fazer, ou de não terem mais nada que fazer. Isso é excelente para milionários reformados e para os habitantes da Florida e de Queensland, mas não para alguém que quer transmitir uma imagem de poder, autoridade ou capacidade, ou que pretende aparecer aos olhos dos outros como um saudável parceiro potencial. As pessoas influentes e as que despertam a atenção dos outros caminham de forma viva num ritmo médio, com passadas de comprimento médio.

4. O aperto de mão
Mantenha direita a palma da mão e devolva a pressão que receber. Deixe ao critério da outra pessoa quando terminar o aperto de mão. Aproxime-se pela esquerda das secretárias retangulares, para evitar que lhe seja dado um aperto Palma-da-Mão-para-Baixo. Nunca dê um aperto de mão diretamente por cima de uma secretária. Utilize o nome da pessoa duas vezes nos primeiros 15 segundos e nunca fale mais de 30 segundos de cada vez.

S. Quando se sentar
Se for obrigado a sentar-se numa cadeira baixa diretamente em frente da outra pessoa, rode a 45 graus relativamente a ela, para evitar deixar-se apanhar na posição de «reprimenda». Se não conseguir colocar a cadeira em ângulo, faça-o com o corpo.

6. Áreas sentadas
Se for convidado a sentar-se numa área informal do gabinete da pessoa, tal como uma mesa de café informal, isso é um sinal positivo, visto que 95% das rejeições profissionais são feitas de trás de uma secretária. Nunca se sente num sofá baixo onde se possa afundar, pois isso fá-lo-ia parecer um par de pernas gigantes encimadas por uma cabecinha — se necessário, sente-se direito na borda, de modo a conseguir controlar os seus gestos e linguagem corporal, e coloque o corpo a 45 graus da pessoa.

7. Os seus gestos
As pessoas frias, calmas, seguras de si e que controlam as suas emoções utilizam gestos claros, simples e deliberados. Os indivíduos de alto estatuto utilizam menos gestos do que os de baixo estatuto. Este é um velho estratagema de negociação — as pessoas que têm poder não precisam de se mexer muito. Tenha em mente que os europeus orientais gesticulam mais do cotovelo para baixo do que os ocidentais, e que os europeus meridionais gesticulam mais com a totalidade dos seus braços e ombros. Espelhe os gestos e expressões da outra pessoa quando isso se revelar adequado.

8. Distância
Respeite o Espaço Pessoal da outra pessoa, que terá o seu valor mais elevado nos minutos de abertura da reunião. Se se aproximar demasiado, a pessoa responderá recostando-se na cadeira, inclinando o corpo para longe de si ou utilizando gestos repetitivos como o tamborilar dos dedos. Como regra geral, pode aproximar-se de pessoas que lhe são familiares, mas deve afastar-se de pessoas novas. Em geral, os homens aproximam-se de mulheres com quem trabalham, ao passo que, em geral, as mulheres se afastam quando trabalham com homens. Trabalhe mais de perto com pessoas de idades próximas da sua e mais afastado de pessoas consideravelmente mais velhas ou mais novas.

9. A sua saída
Reúna as suas coisas de forma calma e deliberada — e não à pressa —, dê um aperto de mão se possível, volte-se e saia. Se a porta estava fechada quando entrou, feche-a atrás de si quando sair. As pessoas observam-nos sempre por trás quando saímos, pelo que, se é homem, nunca deve esquecer-se de engraxar a parte de trás dos sapatos. Esta é uma zona negligenciada por muitos homens, e em relação à qual as mulheres são muito criticas. Quando uma mulher decide sair, aponta o pé na direção da porta e começa a ajustar a parte de trás da roupa e do cabelo, de modo a causar uma boa impressão vista por trás, enquanto sai. Tal como já foi mencionado, as câmaras escondidas revelam que, no caso de uma mulher, os outros estudam a sua parte de trás quando ela sai — quer isso lhe agrade ou não. Ao chegar à porta, deve voltar-se lentamente e sorrir. É de longe melhor que seja recordado pelo seu sorriso do que pela sua parte de trás.