Interpretar Gestos

Home»O poder dos gestos»O poder das mãos»Como detetar abertura

Como detetar abertura

calça-jeans-masculina-mx-23161-1

Quando alguém quer transmitir uma imagem de pessoa aberta ou honesta, mostrará frequentemente uma ou ambas as palmas das mãos à outra pessoa, dizendo algo como: «Não fui eu!», «Desculpa se te aborreci» ou «Estou a dizer-te a verdade».

Quando alguém começa a abrir-se ou a ser verdadeiro, é provável que exponha a totalidade ou uma parte das palmas das mãos à outra pessoa. Tal como a maioria dos sinais de linguagem corporal, este é um gesto completamente inconsciente, um gesto que nos dá uma indicação «intuitiva», ou palpite, de que a outra pessoa está a contar a verdade.

Quando as crianças mentem ou escondem algo, é frequente esconderem as palmas das mãos atrás das costas. Do mesmo modo, um homem que queira esconder por onde andou durante a noite com os amigos poderá esconder as palmas das mãos nos bolsos, ou numa posição de braços cruzados, ao tentar explicar à mulher. Porém, as palmas das mãos escondidas poderão fornecer ao cônjuge uma indicação intuitiva de que ele não está a contar a verdade. Por outro lado, uma mulher que esteja a tentar esconder algo tentará evitar o tema, ou desviará a conversa para uma série de temas não relacionados, enquanto realiza várias outras atividades ao mesmo tempo.

Faz parte da formação dos vendedores aprender a estar atentos às palmas das mãos expostas de um cliente, quando este apresenta razões ou objecções relativamente a comprar determinado produto pois, quando alguém apresenta razões válidas, mostra em geral as palmas das mãos. Quando as pessoas estão a ser honestas ao explicar as suas razões, usam as mãos e exibem as palmas, ao passo que alguém que não esteja a dizer a verdade dará provavelmente as mesmas respostas verbais, mas escondendo as mãos.

Manter as mãos nos bolsos é um estratagema preferido de homens que não querem participar numa conversação. As palmas das mãos eram originalmente semelhantes às cordas vocais da linguagem corporal, pois «falavam» mais do que qualquer outra parte do corpo, e escondê-las era semelhante a manter a boca fechada.