Interpretar Gestos

Home»Linguagem corporal»Como é que as videntes sabem tanto

Como é que as videntes sabem tanto

ciganaboladecristal

Se algum dia visitou uma vidente, saiu provavelmente da consulta espantado com as coisas que ela sabia acerca de si — coisas que mais ninguém poderia saber —, e que o levaram a pensar tratar-se de um caso de Percepção Extrassensorial, certo? A investigação realizada sobre videntes e adivinhos mostra que as pessoas que se dedicam a estas práticas utilizam uma técnica conhecida por «leitura a frio» que pode produzir cerca de 80% de resultados corretos na «leitura» de uma pessoa que nunca se encontrou. Embora estas técnicas possam parecer mágicas a pessoas ingénuas e vulneráveis, baseiam-se muito simplesmente na observação cuidadosa dos sinais de linguagem corporal, acompanhada de uma boa compreensão da natureza humana e de conhecimentos de probabilidade e estatística. E uma técnica praticada por médiuns, leitores de cartas de Tarot, astrólogos e quiromantes, para reunir informação acerca de um «cliente». Muitos praticantes da «leitura a frio» não têm basicamente consciência das suas capacidades para ler sinais não verbais, pelo que se convencem eles próprios de que possuem de facto estas capacidades «psíquicas». Daqui resulta um desempenho convincente, potenciado ainda pelo facto de que as pessoas que visitam regularmente «adivinhos» o fazem com expectativas positivas relativamente ao resultado. Junte-se um baralho de cartas de Tarot, uma bola de cristal ou duas e um bocado de «teatro», e está montado o palco para uma sessão de leitura de linguagem corporal capaz de convencer até os cépticos mais empedernidos de que há estranhas forças mágicas em jogo. No final, tudo se resume à capacidade do praticante de descodificar as reações de uma pessoa a afirmações feitas e perguntas formuladas, e à informação recolhida a partir da simples observação da aparência física de uma pessoa. A maior parte dos «adivinhos» são do sexo feminino pois as mulheres, como se disse atrás, possuem as ligações cerebrais suplementares que lhes permitem ler os sinais corporais dos bebés e o estado emocional das outras pessoas.

E então, como nos portámos? Lemo-lo corretamente? Os estudos mostram que a informação contida nesta «leitura» é correta em mais de 80%, qualquer que seja a pessoa que a realize. Acrescente-se uma capacidade excelente de ler posturas de linguagem corporal, expressões faciais e outras contrações musculares e movimentos das pessoas, mais uma iluminação suave, música exótica e um pauzinho de incenso a queimar, e garantimos-lhe que será capaz de surpreender até o cão! Não o encorajamos a tornar-se vidente, mas em breve será capaz de ler tão bem os outros como um profissional do ramo.