Interpretar Gestos

Home»O poder dos gestos»Como mostramos que estamos prontos a agir

Como mostramos que estamos prontos a agir

105471p

Para parecerem maiores durante combates ou rituais de acasalamento, as aves esticam as penas, os peixes fazem o corpo inchar ingerindo água e os cães e gatos eriçam o pêlo. Os seres humanos, porém, sendo desprovidos de pêlo, não podem eriçá-lo para parecerem mais imponentes quando se sentem temerosos ou zangados. Quando descrevemos um filme assustador, dizemos frequentemente «Fiquei com o pêlo todo eriçado»; se nos zangarmos com alguém, «Ele põe-me os cabelos em pé»; e quando desejamos alguém, dizemos que essa pessoa nos faz «pele de galinha». Todas estas são reações mecânicas do corpo a circunstâncias nas quais tentamos fazer-nos parecer maiores, e são causadas pelos músculos erector pillae presentes na pele, que tentam fazer o nosso pêlo não existente eriçar-se. Mas os seres humanos modernos inventaram um gesto que os ajuda a exibir uma presença física mais imponente — o gesto Mãos-nas-Ancas.

O gesto Mãos-nas-Ancas é utilizado pela criança que discute com os pais, pelo atleta que aguarda que a sua participação tenha início, pelo pugilista que espera que o combate comece e pelos homens que pretendem lançar um desafio não verbal a outros machos quando penetram no seu território. Em cada um destes casos, a pessoa assume a pose Mãos-nas-Ancas, e este é o gesto universal utilizado para comunicar que está pronta para uma ação afirmativa. Permite-lhe ocupar mais espaço, e inclui o potencial de ameaça representado pelos cotovelos espetados que agem como armas, impedindo os outros de se aproximar, ou sequer de passar. Se os braços estiverem meio levantados, mostrarão prontidão para o ataque, sendo esta a posição assumida pelos cowboys num tiroteio. Até mesmo uma mão sobre a anca enviará a mensagem pretendida, particularmente se estiver apontada à vítima pretendida. Este gesto é utilizado por todo o lado, sendo que nas Filipinas e na Malásia transmite uma mensagem ainda mais forte de raiva ou ultraje.

Também conhecido pelo gesto de «prontidão», isto é, transigindo a ideia que a pessoa está pronta para uma ideia afirmada, o seu significado básico denota uma atitude subtilmente agressiva, onde quer que seja exibido. Tem sido também chamada a postura do vencedor, relacionada com a pessoa norteada por objetivos que está pronta a tentar conquistá-los ou a agir relativamente a algo. Os homens utilizam frequentemente este gesto na presença de mulheres, com vista a exibir uma atitude masculina afirmativa.

Para avaliar corretamente a atitude da pessoa, é importante avaliar o contexto e qualquer outra linguagem corporal observada imediatamente antes da pose Mãos-nas-Ancas. Por exemplo, estará o casaco aberto e empurrado para trás, para junto das ancas, ou abotoado, quando a pose agressiva é assumida? Prontidão-de-Casaco-Fechado denota frustração, enquanto um casaco aberto e empurrado para trás é diretamente agressivo, pois a pessoa exibe abertamente a sua zona frontal, numa exibição de destemor. Esta posição é ainda mais reforçada quando se colocam os pés uniformemente afastados no solo, ou quando se adiciona punhos fechados ao agrupamento de gestos.

Estes agrupamentos agressivos de prontidão são utilizados pelas modelos profissionais para transmitir a impressão de que a roupa que exibem se destina à mulher moderna, afirmativa e de ideias avançadas. Por vezes, este gesto pode ser executado com apenas uma mão sobre a anca, e a outra a exibir outro gesto, o que é habitual em mulheres que querem chamar a atenção para si próprias utilizando este agrupamento com uma inclinação pélvica para realçar a sua relação ancas/cintura, que indica fertilidade. O gesto Mãos-nas-Ancas é habitualmente utilizado tanto por homens como por mulheres quando fazem a corte uns aos outros, por forma a chamarem a atenção para si próprios.