Dizemos por vezes que conhecemos algo «como as palmas das nossas mãos» , mas a investigação demonstra que menos de 5% das pessoas é capaz de identificar as palmas das respectivas mãos a partir de uma fotografia.

Os resultados de uma experiência simples mostraram que a maioria das pessoas também não possui, em geral, grande capacidade de ler linguagem corporal. Nessa experiência colocaram um espelho de grandes dimensões na extremidade de um comprido átrio de hotel, criando à entrada a ilusão de um longo corredor percorrendo o hotel e prolongando-se para lá da extremidade do átrio. Penduraram igualmente do tecto plantas de grandes dimensões, até uma distância de metro e meio do chão, de modo que, quando alguém entrava no átrio, parecia que outra pessoa entrava ao mesmo tempo pelo lado contrário. A «outra pessoa» não era imediatamente reconhecível, pois as plantas cobriam-lhe o rosto, mas via-se claramente o corpo e os movimentos. Cada hóspede observava o outro «hóspede» durante cinco a seis segundos antes de virar à esquerda para o balcão da recepção. Quando interrogados se haviam reconhecido esse «hóspede», 85% dos homens responderam negativamente. A maioria não fora capaz de se reconhecer a si próprio no espelho, tendo mesmo dito um deles: «O quê, aquele tipo gordo e feio?» Não surpreende que 58% das mulheres tenham percebido que se tratava de um espelho e 30% tenham afirmado que a outra «hóspede» lhes parecera «familiar».