Interpretar Gestos

Home»Linguagem corporal»Inato, genético ou culturalmente aprendido?

Inato, genético ou culturalmente aprendido?

Goldenes Ehrenzeichen für Irenäus Eibl-Eibesfeldt

Quando cruza os braços sobre o peito, cruza o esquerdo sobre o direito, ou o direito sobre o esquerdo? A maioria das pessoas não consegue descrever, sem margem para dúvidas, a forma como o faz, sem experimentar primeiro. Cruze agora mesmo os braços sobre o peito, e de seguida tente inverter rapidamente a posição.
Enquanto uma das posições lhe parecerá confortável, a outra parecer-lhe-á completamente errada. Os dados sugerem que este pode muito bem ser um gesto genético, não passível de ser mudado.

Têm sido realizados muitos debates e investigações com vista a descobrir se os sinais não verbais são inatos, aprendidos, geneticamente transferidos, ou adquiridos de qualquer outra forma. Recolheram-se dados a partir da observação de invisuais (que não poderiam ter aprendido sinais não verbais através de um canal visual), a partir da observação do comportamento gestual de muitas culturas distintas de todo o mundo, e a partir do estudo do comportamento dos nossos parentes antropológicos mais próximos, os símios.

As conclusões desta investigação indicam que os gestos se repartem por cada uma destas categorias. Por exemplo, a maioria das crias de primatas nasce com a capacidade imediata de mamar, mostrando que se trata de uma capacidade inata ou genética. Um cientista alemão descobriu que as expressões sorridentes de crianças surdas e cegas de nascença ocorrem independentemente de qualquer aprendizagem ou cópia, o que significa que também estes têm de ser gestos inatos. Outros dois cientistas(um americano e outro dinamarquês) sustentaram algumas das convicções originais do cientista alemão relativamente a gestos inatos quando estudaram as expressões faciais de pessoas provenientes de cinco culturas muito diferentes. Descobriram que cada uma destas culturas utilizava os mesmos gestos faciais básicos para demonstrar emoção, o que os levou a concluir que também estes gestos só podiam ser inatos.

O debate prossegue sobre se alguns gestos são culturalmente aprendidos, e se transformam em hábitos, ou se são genéticos. Por exemplo, ao vestir um casaco, a maioria dos homens enfia primeiro a manga direita; a maioria das mulheres, pelo contrário, enfia primeiro a esquerda. Isso demonstra que os homens utilizam o seu hemisfério cerebral esquerdo para esta ação, ao passo que as mulheres usam o hemisfério direito. Quando um homem passa por uma mulher numa rua cheia de gente, em geral vira o corpo para ela ao passar; ela, por seu turno, vira instintivamente o corpo na direção contrária à dele, por forma a proteger os seios. Trata-se de uma reação feminina inata, ou será que ela aprendeu a fazer isto ao observar de forma inconsciente outras mulheres?