Interpretar Gestos

Home»A mentira»Palmada e fricção na cabeça

Palmada e fricção na cabeça

  • Postado em Janeiro 4, 2016
  • Categoria A mentira
o-NECK-CRACKING-facebook

A expressão inglesa «gives me a pain in the neck», cuja tradução literal seria «faz-me doer o pescoço», refere-se à reação imemorial de ereção dos pequenos músculos do pescoço — vulgarmente designada «pele de galinha» — uma tentativa, por parte do seu organismo, de fazer os seu pêlos não existentes ficar eriçados, parecendo mais intimidativo, quando se sente ameaçado ou zangado. É uma reação semelhante à de um cão irritado, que levanta o pêlo quando confrontado com outro cão potencialmente hostil. Esta reação causa a sensação de ardor que experimentamos na nuca quando nos sentimos frustrados ou atemorizados. Passamos em geral a mão sobre essa zona, para atenuar essa sensação.

Imaginemos, por exemplo, que pediu a alguém um favor de pequena monta, e que a pessoa se esqueceu. Quando a interroga, ela pode dar uma palmada na testa ou na nuca, como se estivesse simbolicamente a espancar-se. Embora a palmada na cabeça seja utilizada para comunicar esquecimentos, é importante estar atento e reparar se a pessoa dá a palmada na testa ou na nuca. No primeiro caso, estará a assinalar que não se deixou intimidar por o leitor ter mencionado o seu esquecimento. Pelo contrário, quando bate na nuca para atenuar os músculos excitados do pescoço, está a dizer-lhe que o leitor é literalmente um «pain in the neck» por o mencionar. Porém, se a pessoa der uma palmada no rabo…

Um advogado de uma grande empresa de advocacia de Nova Iorque, descobriu que os indivíduos que friccionam habitualmente a nuca têm tendência para ser negativos ou críticos em relação aos outros, ao passo que os que friccionam habitualmente a testa para não verbalizar o erro tendem a ser mais abertos e descontraídos.

Adquirir a capacidade de interpretar de forma rigorosa gestos mão-ao-rosto num determinado conjunto de circunstâncias exige tempo e observação. Quando uma pessoa utiliza qualquer dos gestos mão-ao-rosto discutidos neste capítulo, é razoável inferir que um pensamento negativo lhe invadiu a mente. A questão, porém, está em saber de que sentimento negativo se trata. Pode tratar-se de dúvida, de falsidade, de incerteza, de exagero, apreensão, ou mentira pura e simples. A verdadeira competência é a capacidade de interpretar qual destes sentimentos negativos é o correto. A melhor forma de o fazer é através de uma análise dos gestos que precedem o gesto mão-ao-rosto, interpretando-os no contexto adequado.