A maioria das pessoas não consegue diferenciar de forma consciente um sorriso falso de um verdadeiro, e a maior parte de nós contenta-se simplesmente com o facto de alguém nos sorrir — seja esse sorriso verdadeiro ou falso. Sendo o sorriso um gesto tão desarmante, a maior parte das pessoas assume erradamente que é um gesto preferido dos mentirosos. Mas a investigação realizada por um psicólogo revelou que, quando as pessoas mentem deliberadamente, a maioria, especialmente os homens, sorri menos do que habitualmente. O psicólogo está convencido de que isso acontece porque os mentirosos se apercebem de que a maior parte das pessoas associa o sorriso à mentira, o que os leva a diminuir intencionalmente os seus sorrisos. Um sorriso de mentiroso surge mais rapidamente do que um genuíno e é mantido durante muito mais tempo, quase como se o mentiroso usasse uma máscara.

Um sorriso falso parece frequentemente mais forte de um dos lados do rosto do que do outro, num processo em que ambos os lados do cérebro o tentam fazer parecer genuíno. A metade do córtex cerebral especializada em expressões faciais situa-se no hemisfério direito e envia sinais principalmente ao lado esquerdo do corpo. Em resultado disso, as emoções faciais falsas são mais pronunciadas sobre o lado esquerdo da face do que sobre o direito.

No verdadeiro sorriso, ambos os hemisférios cerebrais instruem cada um dos lados do rosto para agir com simetria.